domingo, 16 de março de 2008

Ares e lugares

Nunca fora naquele lugar antes, a terra era fofa demais , não lhe proporcionava segurança. E ela só queria um jeito de se proteger . Nos últimos tempos passou por tantos lugares e ares diferentes , que não sabia definir o que carregou de cada solo que pisou. Percebia sua transformação ao entrar em novas terras, sabia da sua essência , mas era tanta novidade , tanta atração , tantos riscos e brincadeiras , que ela esquecia de se olhar no espelho. Perdia-se e se encontrava com freqüência , em algum objeto , em alguma foto ou musica , nas suas lembranças. Mas sempre que se encontrava , mudava de lugar. Carregava uma mochila cheia de tralhas , objetos que a fizessem lembrar de cada lugar , cada pessoa , e todos os gestos. Gostava de olhar pro céu e procurar estrelas e de ver o Sol nascer. Independente do lugar , ela queria ver o nascer do Sol.

Dessa vez , ela queria segurança , para voltar a voar sem temer . Sabendo pousar nos solos diferentes. Caminhava por essa terra instável e se equilibrava entre tropeções e saltos. Mas parecia estar gostando do que sentia . Gostava de sorrir e aquelas cores e cheiro lhe faziam mostrar o dente. Muitas gargalhadas soltou , porém estava só . E cansou de ser só. As brincadeiras iam perdendo a graça , os risos não ecoavam , se dissipavam no ar. Sentiu falta dos abraços e olhares que foi deixando pelo caminho. Sentou e ai escorregando. Gritou , mas ninguém respondia. Dá mochila pesada e cheia de tralhas tirou três fotos e começou a cantar duas musicas. deitou numa grama escorregadia , fechou os olhos e sonhou. Sonhou com as lembranças e com o futuro. Sonhou com flores , doces , estrelas , musicas , ponte . Sentiu cheiros : café , vinho , canela ...

Até que acordou , parecendo já estar em outra parte daquele lugar , seu corpo havia escorregado. Sentou-se e sorriu novamente . Olhou pro lado , e havia outro alguém já acordado esperando-a com as mãos estendida e o olhar fixo. Não sabia quem era , mas algo à levava crer que era quem ela estava procurando, sem saber. Sem desgrudar seus dois olhos dos outros dois , foi se levantando e pegou a mão daquele rapaz , que parecia a conhecer dos sonhos . Ele então disse :

_ Vamos

Ela juntou suas coisas e concordou. Sabia que era ele , sem saber quem era ele. Foi tirando da mochila coisas que a faziam pesar , até que deixou pra trás mochila inteira , colocando nos bolsos as três fotos , pois resto levaria na memória . Caminharam horas , felizes , já estava chegando a outro lugar , ela parou em frente à entrada , respirou com um ar de indecisão. Ele a abraçou também com medo do que poderia vir. Então ela disse :

_ Leve-me.

Deram as mãos e pisaram num novo lugar. Por ele eu não sei , mas ela estava leve , sabendo sorrir , amar e voar de novo.

Dominique Arantes

2 comentários:

barencusca disse...

adorei o texto!!!!!!! e tô com saudade, precisamos conversar, né?

May Aguiar disse...

Ares ...lugares ...
gosto do rumo que suas letras vem tomando,o oposto das minhas!é bom ver que a cada dia você encontra sua identidade "artistica" e "escrita"fique leve..leve a vida leve ...
(leve coisa nenhuma)
hahahha é a musica!
gostei =)
Beijos ,