quarta-feira, 17 de junho de 2009

VEZES

Às vezes

tenho medo

do que você me causa.

É tanto tanto

que fura os olhos

e pega a alma

às vezes

quero gritar

apagar o escrito e

te tocar de verdade.

E então seus olhos vem

e vão

em vão .

Porque de tanto querer

desaprendi a falar

e fico só

imóvel

te vendo olhar

desaprendi .

Às vezes,

eu só queria

dizer um "oi" e te fazer

me querer ouvir falar.

Só às vezes .

Porque quase sempre,

prefiro teus olhos à me vigiar ,

e eu fingindo não te ver,

sem nada saber,

só querendo ,

sem querer te assustar,

pegar o teu olho à me olhar

pra ver por quanto tempo

seus olhos me olham

e penetram em mim.



Dominique Arantes

2 comentários:

d.liberano disse...

dods
achei tipo lindo
e mais
inacreditável como vc leva o olhar sempre num depois incapaz de prever
sempre há algo mais a ser visto
a ser invadido
resta saber
ou no caso
não saber
quem detém estes olhos!

amei
bjo!

Espaço Feliz disse...

Lindo demais.
O romance que se sabe, e a declaração em momentos, em troca de olhos, a menina finge que não vê o que a mulher sente, duas em um, água do mesmo corpo.
Já foi verde, já foi laranja, agora é amarelo e vermelho as cores do vestido.
Uma tensão em sutilezas.
Um suor doce.
A direção feita pelos sentidos.
A entrega em pensamentos.
àS vezes sentidos, às vezes pensamentos, às vezes olhares, às vezes vontade d falar, às vezes vontade de ouvir, às vezes vontade d tocar, de beijar, de abraçar...
E o compasso das entregas...

Adorei, uns dos memlhores textos aqui.
Arrasou dodod's

Beijos